domingo, 10 de maio de 2009

Mamografia: da prevenção ao diagnóstico

Embora predominantemente feminino, o câncer de mama também pode atingir a população masculina, na qual já representa 2% dos casos

 

 

Segundo a Federação Brasileira de Instituições  Filantrópicas  de  Apoio à Saúde da Mama, FEMAMA, 31% das mulheres não realiza periodicamente a mamografia, um exame preventivo para diagnóstico do câncer de mama. A estatística revela a necessidade urgente de conscientização da população.

 

A mamografia é uma ferramenta relevante para a descoberta precoce do câncer de mama e de outras alterações importantes, juntamente ao exame clínico, ao ultrassom e a ressonância magnética. Deve ser realizado com periodicidade de um ano a partir dos 40 anos de idade. Nos casos em que há histórico na família (alto risco), o início do rastreamento deve ser antecipado para os 35 anos.  

 

A mamografia digital é um dos grandes avanços nesta área dos últimos tempos. Esta inovação tecnológica promove o diagnóstico de forma ainda mais rápida e eficaz.  

 

O dr. Domingos Auricchio Petti, professor associado da Universidade de São Paulo alerta, no entanto, que não é indicado utilizar produtos de higiene pessoal; como perfumes, talcos e desodorantes antes da realização do exame.

 

"Os resíduos presentes nestes compostos são artefatos que podem interferir na interpretação do exame".

 

 

Auto-exame da mama

 

O auto-exame da mama (AEM) é outra medida imprescindível, salienta o especialista.  "É importante para o conhecimento do padrão das mamas e para identificar alterações. Se houver alguma disparidade, ela será identificada e não haverá atraso na procura por uma consulta médica, facilitando o diagnóstico precoce em caso de câncer. Podem ser nódulos, sangramentos e secreções pelo mamilo, endurecimentos, aumento da mama, retração da pele e áreas de inflamação ou infecção".

 

Aliás, nunca é demais frisar, o diagnóstico precoce de alguma anomalia depende muito dos cuidados da mulher com a sua saúde. O AEM é uma das maneiras pelas quais se identificam as alterações. Este procedimento deve ser realizado mensalmente, a partir dos 18 anos e sempre no período pós-menstrual. Nas mulheres que não têm ciclo, deve ser feito sempre em uma mesma data, o primeiro ou último dia do mês, por exemplo.

 

Várias mulheres ainda não têm o hábito de realizar o AEM, atesta o dr. Petti, atribuindo a situação em parte ao receio da possibilidade de descobrir a doença.

 

"Quanto mais cedo o tumor é descoberto, maior a probabilidade de cura. O primeiro passo é posicionar-se diante do espelho, desnuda até a cintura, com os braços ao longo do corpo. Em seguida, deve-se elevar os braços acima da cabeça, olhando para as mamas e axilas de frente e dos lados direito e esquerdo. A seguir, a palpação da mama, da axila e do colo deve ser feita com a ponta dos dedos ou a palma das mãos, comprimindo a mama contra as costelas. Esta palpação deve ser repetida com a mulher deitada", ensina. "Se sentir alguma alteração como as descritas anteriormente, um médico deve ser procurado com rapidez", salienta o dr. Petti.


Acontece Comunicação e Notícias