segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Aperto monetário irá desacelerar o crédito às empresas, aponta Serasa Experian

Crédito ao consumidor em rota mais branda em 2011 

O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito às Empresas avançou 0,1% em novembro de 2010, atingindo o valor de 104,9. Foi a menor alta mensal deste indicador em 21 meses, ou seja, desde março de 2009.

Segundo os economistas da Serasa Experian, a possibilidade de um novo aperto monetário a partir do primeiro trimestre de 2011, combinada com uma política fiscal mais austera no primeiro ano de mandato do novo governo, deverá promover uma desaceleração gradual do ritmo de crescimento econômico, gerando avanços menos intensos na demanda de crédito por capital de giro por parte das empresas. 

Consumidor
O Indicador Serasa Experian de Perspectiva do Crédito ao Consumidor caiu 1,3% em novembro de 2010, a oitava queda mensal consecutiva, atingindo o valor de 99,3. Esta sequência de variações negativas sinaliza que as concessões de crédito com recursos livres, para pessoas físicas, deverão continuar se expandindo, porém num ritmo mais suave do que o observado neste segundo semestre de 2010.

A elevação dos compulsórios e a adoção de medidas macro prudenciais de restrição ao crédito por parte do Banco Central, determinadas no início de dezembro, combinadas com o aumento do endividamento do consumidor, deverão proporcionar uma evolução positiva, porém menos acelerada, do crédito ao consumidor, especialmente ao longo do próximo ano.

Metodologia dos Indicadores Serasa Experian de Perspectiva
O objetivo dos Indicadores Serasa Experian de Perspectiva é antever, num horizonte de seis meses, em que fase do ciclo estarão as seguintes variáveis econômicas: (i) atividade econômica, (ii) concessões reais de crédito ao consumidor, (iii) concessões reais de crédito às empresas, (iv) inadimplência do consumidor e (v) inadimplência das empresas. Em geral, as variáveis econômicas apresentam ciclos compostos por quatro fases distintas: (1) expansão, (2) reversão, (3) crise e (4) recuperação. Os Indicadores Serasa Experian de Perspectiva mostrarão, justamente, a posição cíclica, para os próximos seis meses, de cada uma destas variáveis.

Cada Indicador Serasa Experian de Perspectiva é construído analisando-se o poder explicativo e a antecedência de explicação de um universo de 325 variáveis econômicas e financeiras sobre a variável-objetivo. Para tanto, todas as 325 variáveis "candidatas" bem como a variável-objetivo foram filtradas usando-se a técnica de ondaletas, a qual nos permite estudar as relações entre as variáveis "candidatas" e a variável-objetivo em diversas escalas de tempo. Hoje, as ondaletas são adotadas em diversos campos, como a física (dinâmica molecular, astrofísica, geofísica – previsão de terremotos, mecânica quântica), processamento de imagem (análise de EEG e DNA, clima, reconhecimento da fala e visão artificial) e compressão de dados (o JPEG 2000 utiliza essa técnica).

No caso, utilizamos as escalas de tempo compreendidas de 16 a 32 meses e de 32 a 64 meses, faixas onde se caracterizam os movimentos dos ciclos econômicos.

Para cada escala de tempo foram selecionadas, das 325 variáveis "candidatas", aquelas que antecipam, de forma significativa, a variável-objetivo entre 6 e 18 meses de antecedência. Selecionadas as variáveis "candidatas", estas foram agregadas mediante a aplicação de componentes principais, após terem sido colocadas na mesma fase de 6 meses em relação à variável-objetivo.

O resultado composto, isto é, em cada escala de tempo, dos modelos de projeção entre a variável-objetivo e os componentes principais, colocado em base 100, constitui o Indicador Serasa Experian de Perspectiva.

Imprensa | Serasa Experian

-- 
farolcomunitario | rede web de informação e cultura
coletivo de imprensa