segunda-feira, 28 de junho de 2010

Ministério da Saúde envia mais 200 mil doses de vacinas para Alagoas

Insumos vão reforçar prevenção de doenças em áreas afetadas por enchentes; estado já recebeu medicamentos, ambulâncias, reforço de profissionais de saúde e material informativo. Reunião em Brasília monitora situação em Alagoas e Pernambuco

O Ministério da Saúde envia, nesta segunda-feira (28), mais 200 mil doses de vacinas, 13 mil diluentes e mil unidades de soros antitetânicos para o estado de Alagoas. Os insumos servem para prevenir e tratar doenças comuns em situações de inundações, como hepatite A, rotarívus, tétano, entre outras. As necessidades locais foram identificadas pela Secretaria Estadual de Saúde, juntamente com técnicos do Ministério.
 
Nesta terça-feira (29), às 10h, em Brasília, o Gabinete Permanente de Emergências reúne-se pela segunda vez para monitorar a situação das áreas afetadas pelas enchentes em Pernambuco e Alagoas. Participam técnicos do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Representantes das Secretarias de Saúde dos dois estados também vão participar, por meio de videoconferência. O primeiro encontro ocorreu no último dia 24.
 
ALAGOAS– Semana passada, o Ministério da Saúde já havia enviado a Alagoas um total de cinco toneladas de medicamentos e dez novas ambulâncias do SAMU/192 (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), além de vacinas e soros para atender as pessoas à população atingida pelas enchentes. Também foram distribuídas 20 mil cartilhas com orientações à população e material informativo para ser veiculado nas principais rádios do estado.
 
Alagoas recebeu, ainda, 105 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem para reforçar o atendimento hospitalar e a atenção básica, bem como o SAMU/192. Ao todo, o estado recebeu do governo federal R$ 21,8 milhões para ações emergenciais na rede pública de saúde. Os recursos serão utilizados na recuperação física de unidades básicas e hospitais, na aquisição de equipamentos e medicamentos, na ampliação do número de equipes de Saúde da Família e do atendimento hospitalar.
 
PERNAMBUCO – Outro estado afetado pelas enchentes, Pernambuco também recebeu ajuda do Ministério da Saúde, na última semana. Foram 11 toneladas de medicamentos e cerca de 500 mil doses de vacinas e 15 ambulâncias do SAMU/192. O governo federal também destinou R$ 26,8 milhões para ações emergenciais do sistema de saúde.
 
O estado recebeu, ainda, 25 mil cartilhas sobre como agir em caso de enchentes e orientações para pessoas em situação de abrigo. O Ministério da Saúde aguarda novas solicitações da Secretaria Estadual de Saúde para envio de mais ajuda a Pernambuco.
 
GABINETE DE EMERGÊNCIAS – O Ministério da Saúde convocou, na última semana, o Gabinete Permanente de Emergências, composto por técnicos de 15 departamentos do Ministério da Saúde, além de representantes da Anvisa, Funasa e OPAS, que monitoram periodicamente as ações realizadas nas áreas afetadas. Durante as reuniões, são avaliadas as tendências do desastre, o impacto das medidas adotadas e a necessidade de intensificação das ações.
 
Dentre as principais ações do grupo está a de monitoramento e coleta de informações dos estados, análise e interpretação dos dados processados, avaliação da eficácia e efetividade das medidas adotadas, fluxos de dados e método de monitoramento de agravos à saúde e interação com outras instituições.
 
 
METEOROLOGIA – De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão é de que as chuvas fortes continuem no Nordeste, nos próximos dias. O Ministério da Saúde recomenda que as pessoas evitem ao máximo, quando possível,  o contato com água ou lama de das enchentes e esgotos, para evitar doenças como leptospirose, hepatite e diarreias.
 
Outros cuidados importantes são com os alimentos e água para consumo humano. As pessoas que vivem nas regiões afetadas devem sempre filtrar e ferver a água antes de beber, não consumir alimentos com cheiro, cor ou aspecto fora do normal (úmido, mofado, murcho) ou que estejam com a embalagem ou tampas estufadas, abertos ou danificados., além de evitar o contato com água acumulada das enchentes.
 
Essas e outras orientações estão disponíveis nas cartilhas que foram enviadas aos estados e nos links abaixo:
 
 
 
2ª reunião do Gabinete Permanente de Emergências do Ministério da Saúde
Dia: 29 de junho de 2010
Hora: 10h
Local: sala 178 - Anexo B do Ministério da Saúde (sala de videoconferência do DATASUS)
 
 
Agência Saúde

--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura
coletivo de imprensa | www.coletivodeimprensa.jor.br