quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Terminais pesqueiros públicos da Bahia favorecem qualidade e maior produção

O investimento de aproximadamente R$ 19 milhões na construção de Terminais Pesqueiros Públicos (TPPs) em Salvador e em Ilhéus; a aplicação de quase R$ 55 milhões de reais em seguro defeso no estado da Bahia apenas em 2008, que beneficiou 38 mil pescadores; e o extraordinário potencial para o pescado da Bahia, que conta com numerosos rios e um litoral de mais de mil quilômetros foram alguns destaques do discurso do ministro Altermir Gregolin durante a solenidade de assinatura do acordo entre o Ministério da Pesca e Aquicultura e o governo da Bahia, através da empresa Bahia Pesca S/A, para a implantação dos dois terminais pesqueiros ainda em 2010.

A solenidade, muito prestigiada, ocorreu no último dia 16 de dezembro, no Salão de Atos, do Centro Administrativo da Bahia, em Salvador. Compareceram ao evento o governador da Bahia, Jacques Wagner, Edmundo Pereira Santos, vice-governador, e ainda grande número de políticos, dirigentes empresariais e autoridades relacionadas ao setor pesqueiro. Em discurso, o governador Jacques Wagner agradeceu o empenho do ministro Gregolin em favor da Bahia, ressaltou a importância da criação do Ministério da Pesca e Aquicultura e afirmou que esta pasta será sempre lembrada como uma das principais conquistas do governo Lula.

O Terminal Pesqueiro Público de Salvador permitirá que os habitantes da capital baiana tenham um pescado de melhor qualidade, inclusive podendo ser submetido a inspeção sanitária, e estimulará a formalização das relações de trabalho no setor. Atualmente, apesar da boa produção pesqueira do estado – da ordem de 76 mil toneladas em 2006 -, Salvador precisa importar aproximadamente 85% do pescado consumido na cidade, de Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Ceará e Pará. A Bahia conta com o segundo maior número de pescadores registrados do País, mais de 100 mil, perdendo a primeira colocação apenas para o Pará. O estado conta com mais de 10 mil embarcações cadastradas, das quais metade aproximadamente se encontra no Recôncavo Baiano.

 

Os Terminais

 

O terminal pesqueiro de Salvador, moderno e bem equipado, com um cais de aproximadamente 42 metros de extensão, irá recepcionar o pescado produzido na Bahia e em outros estados, destinado à própria capital. Contará com câmaras para conservação do pescado, fábrica de gelo com capacidade para produzir 48 toneladas/dia e Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), de forma a evitar contaminações ao meio ambiente.

A descarga de pescado prevista no local será da ordem de 4.500 toneladas/ano. A partir dali o produto será distribuído a supermercados e feiras, como a popular Água de Meninos. O terminal estará localizado no bairro da Ribeira, Península de Itapagipe, às margens da embocadura da Enseada dos Tainheiros. Esta área, hoje bastante degradada, será revitalizada pela obra.

Em Ilhéus, o Terminal Pesqueiro Público, a ser implantado na Baía do Pontal, no Centro, contará com todas as facilidades e infra-estrutura da unidade de Salvador e ainda com uma área para o beneficiamento do pescado. A sua implantação ocorrerá a partir da aquisição das instalações de terceiros, que serão recuperadas e modernizadas. Antigamente operava na área um porto cacaueiro. Com os novos terminais Ilhéus e Salvador, cidades distantes 462 km uma da outra, se consolidarão como dois importantes e estratégicos pontos de captação de pescado na Bahia, estando em melhores condições para atrair empresas dedicadas ao processamento do pescado.


Último de Campos Valadares

Assessoria de Comunicação

Ministério da Pesca e Aquicultura


--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura