quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Saúde libera R$ 3,7 milhões para atendimento odontológico especializado

Recursos serão destinados à manutenção de 38 novos centros em 13 estados. Já são 809 unidades em todo o país, crescimento de 709% em relação a 2004

O Ministério da Saúde vai ampliar o atendimento de saúde bucal na rede pública. Portaria publicada no Diário Oficial da União destina R$ 3,7 milhões por ano para a manutenção de 38 novos Centros de Especialidades Odontológicas (CEOs) em 13 diferentes estados do país (veja quadro). O governo federal já havia liberado R$ 1,8 milhão para a construção das unidades. Com a ampliação, o número de CEOs passa para 809 em todo o Brasil, crescimento de 709% em relação a 2004, quando havia 100 unidades.

O coordenador Nacional de Saúde Bucal, Gilberto Pucca, explica que os centros complementam o trabalho das equipes de saúde bucal, responsáveis pelo primeiro atendimento e acompanhamento da população. "Antes, quem precisava de tratamento especializado tinha de pagar um dentista particular. Com a ampliação, permitimos a oferta de todos os cuidados, desde os básicos até os avançados, pelo Sistema Único de Saúde (SUS)", afirma o coordenador.

É nos Centros de Especialidades Odontológicas que os pacientes encaminhados pela rede de atenção básica podem receber tratamento especializado. Realização de canais, diagnósticos de câncer e tratamentos de gengiva são alguns dos atendimentos feitos nesses centros.

As intervenções mais simples, como remoção de tártaro, restauração ou extração simples, são de responsabilidade das Equipes de Saúde Bucal, que fazem parte da Estratégia Saúde da Família. No Brasil, há 18.902 Equipes de Saúde Bucal em atuação, responsáveis pela cobertura 68,8% da população. No total, 4.699 municípios do país dispõem desse serviço.

CRESCIMENTO - O número de procedimentos odontológicos especializados no SUS cresceu 250% entre 2003 e 2008. Em 2003, foram 5 milhões de procedimentos no SUS - o equivalente a 3,3% dos tratamentos odontológicos especializados. Em 2008, esse número passou para 17,5 milhões, ou 11,5% do total.

Os avanços têm impacto direto na saúde bucal da população. Dados do Ministério da Saúde revelam que cerca de 400 mil dentes deixam de ser arrancados anualmente por conta do aumento da cobertura do Programa Brasil Sorridente. Desde 2003, um ano antes do lançamento da política, até setembro de 2009, 3 milhões de dentes deixaram de ser extraídos na população usuária do SUS.

PROGRAMA - A Política Nacional de Saúde Bucal (Brasil Sorridente) foi lançada em março de 2004 para garantir as ações de promoção, prevenção, recuperação e manutenção da saúde bucal dos brasileiros. Articulada a outras políticas públicas de saúde, ela apresenta como principais linhas de ação a reorganização da Atenção Básica (especialmente por meio da Equipes de Saúde Bucal da Estratégia Saúde da Família), da Atenção Especializada (por meio da implantação de Centros de Especialidades Odontológicas e Laboratórios Regionais de Próteses Dentárias) e a adição de flúor nas estações de tratamento de águas de abastecimento público. Dois anos antes da criação da Política, em 2002, o Ministério da Saúde começou a implantar equipes de saúde bucal.

 

ESTADOS BENEFICIADOS COM NOVOS CEOs
Alagoas – 1 Centro
Amazonas – 3 Centro
Bahia – 6 Centros
Ceará – 6 Centros
Mato Grosso – 1 Centro
Pará – 2 Centros
Pernambuco – 4 Centros
Piauí – 1 Centro
Paraná – 1 Centro
Rio de Janeiro – 2 Centros
Rio Grande do Sul – 1 Centro
Santa Catarina – 3 Centros
São Paulo – 7 Centros
Total: 38

 
Número de Centros de Especialidades Odontológicas por Unidade Federativa. Brasil, dezembro/2009.
 

UF
CEO_CREDENCIADO
UF
CEO_CREDENCIADO
AC
2
PB
43
AL
17
PE
41
AM
11
PI
26
AP
2
PR
44
BA
70
RJ
65
CE
67
RN
20
DF
6
RO
7
ES
11
RR
1
GO
22
RS
20
MA
25
SC
38
MG
75
SE
5
MS
15
SP
140
MT
6
TO
7
PA
23
Total
809

 
Agência Saúde
--
farolcomunitario | rede web de informação e cultura