terça-feira, 28 de abril de 2009

AGÊNCIA SAÚDE - NOTA À IMPRENSA - INFLUENZA SUÍNA

MINISTÉRIO DA SAÚDE

GABINETE PERMANENTE DE EMERGÊNCIAS

NOTA À IMPRENSA

Terça-feira, 28/04/2009, às 15h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína

1. Até as 15h desta terça-feira, o Ministério da Saúde monitorava 20 CASOS de pessoas que estiveram em áreas afetadas e que apresentaram alguns sintomas; ou que mantiveram contato com esses indivíduos.

UF

Casos notificados¹ e em monitoramento

Casos suspeitos²

Casos confirmados laboratorialmente³

Amazonas

03

0

0

Bahia

02

0

0

Minas Gerais

03

0

0

Pará

01

0

0

Paraná

04

0

0

Rio de Janeiro

02

0

0

Rio Grande do Norte

02

0

0

Santa Catarina

03

0

0

TOTAL

20

0

0

¹ Estão incluídos todo e qualquer caso notificado por autoridades sanitárias estaduais ao Ministério da Saúde.

² Todos os casos notificados que se enquadram na definição de caso suspeito do Ministério da Saúde. Ver item 8.

³ Todos os casos confirmados por exames de laboratório.

  1. Além desses 20 casos, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo, em nota, descartou os DOIS casos registrados no estado. Um dos pacientes tinha sinusite. O outro não apresentava febre e a Secretaria aguarda resultados de exames para esclarecimento de diagnóstico.

3. TODOS OS CASOS foram informados pelas Secretarias Estaduais de Saúde, que acompanham a investigação junto às unidades de referência em cada estado, para onde foram levadas as pessoas. A Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde monitora continuamente os casos, para definição do quadro clínico e adoção de medidas oportunas para diagnóstico, tratamento e monitoramento de pessoas que tiveram contato com esses indivíduos.

  1. O Ministério da Saúde reforça que, até o momento, NÃO HÁ EVIDÊNCIAS de circulação do novo subtipo do vírus da influenza suína A (H1N1) no Brasil.

5. Desde a última sexta-feira (24/4), a Declaração de Bagagem Acompanhada (DBA) dos passageiros de voos internacionais que desembarcam no Brasil está sendo recolhida pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O documento, de preenchimento obrigatório, contém informações como nome, endereço, telefone, origem e destino, e é fonte de informações para eventual busca de contatos se for detectado caso suspeito no avião.

6. Avisos sonoros sobre os sintomas da doença e os procedimentos a serem adotados pelos passageiros estão sendo veiculados pela INFRAERO em 67 os aeroportos do país.

7. Se houver passageiros com sintomas nos voos, elas serão encaminhadas, pelos funcionários da ANVISA, à(s) unidade(s) de saúde de referência no respectivo estado de desembarque. São 49 unidades em todo o país, ao menos uma por unidade da federação.

8. Os critérios de caso suspeito, estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde e pelo Ministério da Saúde são:

· Febre repentina acima de 38 graus e tosse, acompanhadas ou não de um ou mais dos seguintes sintomas: dificuldade respiratória, dor de cabeça, dores musculares e nas articulações; e ter como procedência as áreas afetadas, nos últimos 10 dias.

Agência Saúde